javascript:; Trabalhadores da Ferrovia Norte-Sul ficam 3 dias em ônibus quebrado ~ INGÁ ONLINE

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Trabalhadores da Ferrovia Norte-Sul ficam 3 dias em ônibus quebrado

Eles voltavam das obras em Acreúna (GO) para o Rio Grande do Norte.

Operários dizem que tiveram que pedir demissão sem receber os direitos.

Doze operários que trabalhavam na construção da Ferrovia Norte-Sul estavam há três dias em um ônibus quebrado na BR-060, na saída para Rio Verde, a 173 km de Goiânia.
Eles estavam voltando das obras de construção da ferrovia em Acreúna, a 157 km de Goiânia, para Mossoró, no estado do Rio Grande do Norte e dizem que foram obrigados a pedir demissão sem receber pelos direitos trabalhistas: “Nós fomos obrigados a assinar a carteira para gente ir embora”, afirma um dos trabalhadores.
Eles contam que a situação desde quando o veículo estragou no domingo (16) é desumana. “Lá era ruim e aqui tá pior ainda. Dentro de um ônibus, sem alimentação”, conta o servente de pedreiro Társio Thiago de Lima. Outro trabalhador fala sobre as condições da obra. “Não tinha higiene de nada e nem segurança. Alguns usavam outros não. A fiscalização também era muito pouca”, afirma Flávio Rodrigues.
O responsável pela empresa nordestina em Goiânia esteve no local e falou que vai tomar algumas providências. “Nós vamos alojar o pessoal e eles vão aguardar no alojamento o pagamento que eles concordaram com a gente de receber”, explica o encarregado da empresa Bruno Araújo de Souza.
O procurador do Trabalho Antônio Cavalcante Rodrigues diz que irá verificar a documentação dos funcionários para averiguar a data da rescisão contratual e se ela está dentro do prazo.
O chefe da seção de Inspeção do Trabalho, Valdivino Vieira, explica que os trabalhadores estão em um hotel em Goiânia e devem ir, ainda na tarde desta quarta-feira (19), até a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) para receber o dinheiro da rescisão. Valdivino Vieira afirma que a empresa responsável pelos funcionários deverá ainda conseguir outro transporte ou pagar as passagens para que os trabalhadores possam voltar para o Rio Grande do Norte.
fonte:Do G1 GO

0 comentários:

Postar um comentário

 
Powered by Blogger