javascript:; BARBÁRIE »PM mata no trânsito ~ INGÁ ONLINE

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

BARBÁRIE »PM mata no trânsito


A Polícia Civil investiga a conduta de um policial militar que matou uma pessoa e deixou outra ferida gravemente após uma suposta briga de trânsito na madrugada de ontem, em uma das pistas marginais da Via Estrutural. Renato Campos, 34 anos, é lotado no Batalhão de Polícia Militar Ambiental e disparou, pelo menos seis vezes, contra três homens da mesma família. A confusão começou por volta das 3h30, depois que João Paulo Cavalcante, 22, colidiu na traseira do Opala do militar. Um irmão, um primo e a mulher do rapaz foram até o local e, após uma discussão, as duas vítimas foram atingidas no abdômen e nas pernas. Fernando Cavalcante da Silva, 32, morreu no local e João Paulo está internado em estado grave. O sargento se apresentou à polícia e alegou legítima defesa. Ele foi liberado após prestar depoimento e não será afastado da corporação.
Para os agentes, o crime ainda não está esclarecido, já que cada um dos envolvidos conta uma versão. “Precisamos ouvir todas as pessoas e apurar os fatos para saber o que realmente aconteceu. Só assim, saberemos se houve excesso por parte do policial”, informou o delegado plantonista da 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte), Felipe Aguiar. A roupa que Renato Campos usava na hora dos disparos e a pistola .40 foram apreendidas. Imagens das câmeras de segurança dos estabelecimentos comerciais e de um condomínio que ficam próximos ao local onde Fernando morreu também devem ajudar nas investigações.
A versão do sargento é contestada pelo primo das vítimas, que tem 31 anos e presenciou os parentes sendo atingidos. “O João Paulo ligou para a mulher dele falando que tinha batido o carro e que era para ela ir lá.

Quando chegamos, o policial estava com a arma na mão e os dois estavam alterados. Eu e o Fernando tentamos acalmar. Fomos nos aproximando e foi quando ouvi uma sequência de seis disparos. Em momento nenhum, ele falou que era PM”, contou o homem, que preferiu não se identificar. A mulher de João Paulo, que está grávida, viu o marido baleado e chamou o Corpo de Bombeiros. O rapaz, atingido por pelo menos quatro disparos no abdômen e nas pernas, foi levado ao Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Segundo familiares, ele está em coma induzido e o quadro é grave. Fernando deixou dois filhos, de 10 e 7 anos.
O pai das vítimas acompanhou o trabalho da perícia e, em estado de choque, contou que a atitude do policial não condiz com a função do agente público. “Eles (os policiais) tinham que proteger e não matar pais de família. Meus filhos são pessoas do bem”, afirmou Francisco João da Silva, 63 anos. O comerciante disse que João Paulo voltava da casa de um tio. Fernando, o mais velho de três irmãos, era representante comercial e morava no mesmo lote que o pai, em Vicente Pires. “Não tem cena pior do que chegar em um lugar e ver o seu filho morto no chão”, lamentou Francisco.
Familiares dos dois irmãos baleados temem que a atitude do sargento fique impune. “Quando cheguei à delegacia, já tinha mais de 30 policiais do batalhão dele. Foram os PMs, inclusive, que o levaram para registrar a ocorrência”, contou o primo das vítimas.
Punição
Apesar da morte de Fernando Cavalcante, o sargento Renato Campos não será afastado da corporação. De acordo com o comandante do Batalhão de Polícia Ambiental, Cláudio Ribas de Sousa, o militar agiu em legítima defesa. “Não existe indicativo para o afastamento. É preciso analisar todas as versões, mas o sargento disse que iria apanhar e começou a correr, mas eles foram atrás dele.” Ribas afirmou ainda que o PM está na corporação há pelo menos 15 anos e é um excelente profissional. “Ele está muito abalado e pode ser afastado para se recuperar, mas não pelo fato de ter atirado”, explicou o tenente-coronel.
O comandante disse que conversou com o sargento e ele garantiu que João Paulo aparentava estar embriagado no momento da colisão. “O policial verificou os sinais e chamou reforço. Foi então que o rapaz ligou para os familiares, que chegaram tomando satisfação.” Renato Campos foi submetido ao teste do bafômetro e, segundo o delegado Felipe Aguiar, o resultado deu negativo para o consumo de bebida alcoólica. O investigador não informou se João Paulo Cavalcante também foi submetido ao exame.
De acordo com a promotora de Justiça Maria José Miranda, o acusado de executar Fernando Cavalcante pode ser condenado à punição mais severa pelo fato de ser PM. Segundo ela, é comum que magistrados levem em conta as circunstâncias que fizeram com que o agente público puxasse o gatilho. “O juiz considera que o policial é treinado para controlar as emoções em momentos de conflito. Ele também leva em consideração o emprego de armamento por um profissional fora do serviço. Tudo isso pode ser determinante para que a pena seja maior”, afirmou.
Para Maria José, o episódio deve ser tratado como um caso isolado. “São raros os desvio de conduta dessa natureza dentro das nossas polícias. Tanto a PM quanto a Polícia Civil contam com homens extremamente bem preparados. Não podemos generalizar”, ponderou a promotora
PALAVRA DE ESPECIALISTA »Desvio de conduta
Publicação: 16/01/2012 02:00
Não se pode condenar a instituição Polícia Militar por esse episódio trágico, pois se trata de um desvio de conduta de caráter pessoal. Evidentemente, podemos considerar que as pessoas percam o controle em discussões no cotidiano, mas partimos do pressuposto que um agente treinado, portando uma arma, tem a obrigação de manter a tranquilidade, já que o policial é provocado quase que diariamente, isso é inerente à profissão que ele escolheu. O Ministério Público, certamente, irá explorar esse aspecto, o que deve dificultar bastante a estratégia da defesa. Até o argumento de legítima defesa é de difícil sustentação, pois ninguém se defende efetuando quatro disparos contra alguém desarmado. Ele poderia ter dado um tiro de advertência e, se fosse extremamente necessário, outro para imobilizá-lo, o que não ocorreu. Tudo isso deve influenciar na reação do magistrado que cuidará do caso, e também do júri popular. O excesso cometido pelo PM certamente o levará a ser condenado (por homicídio doloso) a uma pena mais severa. José Vicente da Silva Filho,
consultor em segurança
pública e ex-secretário  Nacional de Segurança Pública
Baleado sem defesa
Publicação: 16/01/2012 02:00
Em 7 de dezembro de 2008, durante uma confusão entre integrantes de torcidas do Goiás e do São Paulo, próximo ao Estádio do Bezerrão, no Gama, o sargento José Luiz Carvalho Barreto deu uma coronhada na nuca de um torcedor tricolor e a arma do militar disparou involuntariamente, acertando a cabeça do rapaz. No momento em que foi atingido, Nilton César de Jesus, à época com 26 anos, estava de costas e com os braços levantados. Ele morreu quatro dias após ter sido baleado. O militar foi afastado do serviço, que exerceu durante 20 anos. A condenação, divulgada na última sexta-feira pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), foi de dois anos e dois meses de detenção.

1 comentários:

Cléber disse...

cuidado com o que vocês publicam, não foi barbárie os fatos mostram LEGÍTIMA DEFESA, oriento mais prudência ao invéns de sensacionalismo!!!!!!

Postar um comentário

 
Powered by Blogger