javascript:; Queixas contra o transporte público no Entorno aumentaram 67% em 2011 ~ INGÁ ONLINE

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Queixas contra o transporte público no Entorno aumentaram 67% em 2011

Retrato da precariedade: os próprios passageiros colocaram sacolas plásticas e papel higiênico para impedir que a água entre pela janela
A cada dia, uma média de oito passageiros reclamam do transporte público oferecido no Entorno. As queixas feitas na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) aumentaram 67,47% no ano passado. Foram 3.182 registros contra 1,9 mil em 2010 (leia quadro). Superlotação, veículos em más condições, sem documentação e equipamentos obrigatórios de segurança são infrações recorrentes. Todas as empresas que ligam o Entorno a Brasília apresentaram mais de 50% de aumento nas denúncias. Em 2011, elas receberam pelo menos mil multas da agência.

A reportagem flagrou ontem casos de desrespeito com os passageiros. Ônibus lotados, com pneus carecas, sujos e que circulam fora do itinerário fazem parte da rotina dos moradores do Entorno, que, em geral, acordam antes mesmo das 5h para ir ao trabalho. Cheios, os primeiros veículos passam direto nas últimas paradas e os passageiros são obrigados a esperar o próximo carro. Não bastasse o descaso, a população ainda sofre com a sujeira dos coletivos e a pressa dos motoristas, preocupados em chegar ao destino no horário marcado.

Em Águas Lindas de Goiás, os passageiros esperam muito tempo por um coletivo. É o caso da diarista Sandra Souza Silva, 44 anos. Moradora do Jardim V, ela aguardou uma hora até passar o ônibus que fazia a linha Plano Piloto/Eixo. “É muito ruim. Já cheguei atrasada ao emprego por causa disso. Quando perdemos um ônibus ficamos sem saber que horas o outro passa”, disse.

O porteiro Marcos Antônio Pereira, 45 anos, afirma que é comum os ônibus do município quebrarem. “Alguns têm mais de 10 anos e continuam trafegando. Os bancos são soltos e os ferros das cadeiras enferrujados, mas aqui não tem fiscalização e fica por isso mesmo. Ninguém resolve”, destacou. Quando chove, o problema é ainda pior. Em muitos carros, as borrachas de vedação das janelas estão danificadas e a água molha quem está sentado.

Quem depende do transporte público também reclama do preço da passagem, que varia entre R$ 3 e R$ 4,50. “Sem contar que uma empresa não recebe vale-transporte de outra. A gente fica à mercê deles (dos empresários)”, reclamou a dona de casa Rosária Alves dos Santos, 32 anos. Apenas uma empresa opera em Santo Antônio do Descoberto. São 93 ônibus para atender a população de mais de 60 mil habitantes. Sem opção, os coletivos andam lotados.

Idosos, portadores de necessidades especiais, grávidas e mulheres com crianças de colo são os que mais sofrem com o transporte precário. É comum ver jovens ocupando assentos preferenciais. O aposentado Pedro Alves, 73 anos, diz que costuma ceder o lugar para mulheres e grávidas. “Estou acostumado e ainda aguento ir em pé. Empresa nenhuma quer colocar mais ônibus para circular porque seria menos dinheiro para eles (empresários)”, disse.

Sem autorização
Na manhã de ontem, um ônibus da empresa Rápido Planaltina placa JJF-0956/DF, com destino a Planaltina de Goiás, estava com um pneu traseiro liso. A ANTT informou que o carro não tem autorização para circular e encaminhará o caso para a fiscalização. Quem anda em transporte desse tipo teme pela segurança. “É sempre esse caos, sem contar que o carro quebra praticamente todo dia. Ontem (terça-feira) mesmo eu peguei um e quebrou na altura de Sobradinho”, contou a vendedora Antônia Souza, 35 anos, moradora do Setor Leste.

Outros ônibus da Viação Monte Alto também apresentaram problemas, como borrachas e letreiros com o número da linha danificados. O carro número 2.020 já havia sido lacrado, mas voltou a operar por determinação judicial. Em outro carro da mesma empresa, para diminuir a quantidade de água, os passageiros colocaram sacolas plásticas e papel higiênico nas laterais. A sujeira incomodava passageiros, mas sem opção de transporte eles preferiram não reclamar da situação. “Colocaram em maio ônibus para gente. Antes, a gente descia muito longe de casa. Pelo menos agora temos uma linha que passa no Setor Norte e está quebrando um galho”, comentou Reinilda Alves, 47 anos.

Em um ônibus da Viação Anapolina com destino a Luziânia, o suporte do retrovisor apresentava rachaduras nas duas pontas e ameaçava cair. Mesmo assim, o motorista seguiu destino. “Eu já peguei ônibus mais velhos, mas esse aqui está bom e comigo quase não quebra. A dificuldade maior é mesmo a superlotação. De manhã, é tão cheio que o restante dos passageiros em outras paradas não entram”, contou a aposentada Anita Rodrigues da Silva, 65 anos. A reportagem entrou em contato com o presidente da Associação dos Empresários dos Transportes do Entorno,Carlos Alberto Medeiros, mas, até o fechamento desta edição, ele não havia retornado os recados deixados na caixa postal de seu celular.

Acidentes
Na última terça-feira, 39 pessoas ficaram feridas em três acidentes com ônibus. Dois casos — um na DF-128, perto de Planaltina, e outro na BR-040, na entrada de Luziânia (GO) — envolveram coletivos que atendem a população do Entorno. O da Rápido Brasília, que colidiu na caçamba de um caminhão e envolveu outros dois veículos, tinha 15 anos de uso.
fonte:correiobraziliense

0 comentários:

Postar um comentário

 
Powered by Blogger